A receita perfeita para uma ótima história? Isso é fácil, qualquer ótima história começa na taverna do Frodo. Depois de umas cervejas, problemas virão sem serem convidados! — Tibicus, Thais 2016.

Se Tibicus soubesse disso antes, ele não teria ido…

A lua estava no seu pico. Volumosa e brilhante, em qualquer outra noite, ela teria sido uma bênção para um viajante. Nesta noite, no entanto, ela estava coberta pela tempestade que surgiu de Roshamuul. Seu brilho agora só está visível num halo estranho surgindo das nuvens, pesadas e carregadas de trovões, e serve apenas para amedrontar quem se aventura nessas condições. Apenas aqueles que não tem nada a perder se arriscariam no relento durante uma tempestade vinda de Roshamuul. Nada a perder, ou temendo pela vida de outros.

Um vento cortante estava varrendo os arbustos e campos, assoviando através de buracos e nichos próximos de casas e celeiros. Gotas de chuva, pesadas como cristais-de-rocha, desabam incessantemente do céu, fazendo poças e enchendo rios até a borda. O maior mal da tempestade são os trovões e raios, fazendo a terra tremer e até alcançando-a, não poupando nada nem ninguém.

Os uivos estridentes de lobos ferozes morriam a distância quando mais aumentava o ritmo dos galopes de um cavalo de guerra, cujo fazia o chão vibrar. O cavaleiro, em roupas saturadas, cavalga inexorável pela tempestade, a chuva chicoteando sua face pálida. Seus olhos, vazios e sem esperança, lutam contra o impacto das gotas. Ele fixa num destino que ele ainda não consegue ver.

Água goteja em seu nariz e passa pelos seus ásperos e rachados lábios, que possuíam uma coloração cinza azulado no momento. Seu longo, grosso e escuro cabelo tem fios presos em sua testa, cobrindo o profundo e recente machucado acima de sua têmpora. Os detalhes angulares da sua face são descuidados. Não há nenhum guerreiro honorável sentado naquele nobre cavalo de guerra, mas um homem abatido que se sente culpado.

Ele deixou Thais há uma hora, justo quando a tempestade estava começando a se juntar. Entretanto, agora parece que foi há uma eternidade. Ele já olhou várias vezes acima de seus ombros para ter certeza de que não estava sendo seguido. Venore ainda está a algumas cruéis milhas de distância. O Capitão Bluebeard, aquele maldito cão do mar, deixou-o na mão. Ele recusou-se a navegar durante a tempestade. Muito perigoso, diz ele.

Como ele não foi capaz de navegar por Thais, o rapaz sentiu-se forçado a encarar uma perigosa jornada pelo continente tibiano. Sua chance mais próxima de alcançar seu destino é com o Capitão Fearless. Ele apenas espera que o homem não renegue o próprio nome. De qualquer maneira, é a melhor escolha por hora. Em Venore, poucas pessoas conhecem seu rosto, logo, menos chance de ser parado com perguntas indesejadas.

Ele estava pagando um grande preço pela perca de suas ombreiras. A corda do arco do warsinger já cortava suas costas, rasgando dolorosamente seu ombro. Cada batida de casco sobre o chão desnivelado era uma martelada, e a corda um prego. Não tinha hora de parar, nem para descansar. Uma cicatriz seria um sacrifício prazeroso comparada a dor e agonia que ele enfrentaria se sua missão falhasse.

Mas ele conseguiu ter sucesso? Se a nota que ele deixara para Tibicus continuasse sem descoberta, isso significaria que o cavaleiro tinha assinado o seu próprio mandado de morte. Tibicus encontraria a nota que ele havia deixado? Por que diabos ele estava pensando em seu próprio destino, afinal? Não era sobre ele, era sobre Tibicus e acima de tudo, era sobre eles; Aqueles que ficaram enredados nesta situação desesperada, sem culpa própria, por causa dele, por causa de sua estupidez, e agora ele estava preso entre uma pedra e um lugar áspero.

Ele tentou sufocar seus pensamentos e se concentrar na sua tarefa. Em um esforço para limpar sua mente, ele atiçou seu cavalo com o esporão e desceu pelo caminho lamacento.

Então – desastre!

Um raio atingiu uma árvore próxima a ele, expelindo faíscas e fazendo com que o cavalo entrasse em pânico. Ele ficou nervoso, empinou e o arremessou de suas costas. O cavaleiro aterrissou em um monte de lama. A água gelada penetrou lentamente através de sua armadura, passando através das costuras abertas abaixo de seu peitoral amassado. Sua capa verde-oliva estava encharcada com a mesma sujeira marrom que manchava as suas Dwarven Legs. Sua bela armadura, uma vez seu orgulho e alegria, estava agora manchada e suja, assim como sua honra.

Ele já não tinha forças para se levantar. Toda sua raiva e frustração cristalizaram em um único pensamento que ressoou através de seu cérebro:

“Este é o seu lugar, seu paladino de araque.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Favor comente aqui!
Favor insira seu nome aqui

Comentários
  1. Show! Curti a leitura, continue escrevendo! Gosto de uma história detalhada assim pois leio imaginando bem a cena. Abraços!
    Eles já falaram no próprio post oficial que isso é apenas outra história escrita, e nada tem a ver com teaser sobre implementação futura, e que não tem planos para tal.
    Mas parece até sacanagem né? Clima no jogo é uma dos avanços gráficos mais esperados e eles deliberadamente criam um artigo com um nome desse...
    Pois é, finalmente começaram a fazer atualizações interessantes.. até alguns OT Servers já possuem avanços gráficos e funcionais como chuva, sentar em um banco, emotes e etc...
Comente