Phobos Online é um MMORPG 2D com temática medieval-fantasia em desenvolvimento pela Myth Entertainment desde 2005 (sim, doze anos atrás!). Atualmente são 9 pessoas na equipe, mas essse número já foi maior no passado. O jogo é feito inteiramente do zero, com gráficos, cliente e sistemas 100% próprios. Inicialmente ele se chamava “The Last Myth”, mas antes do primeiro test-server ganhou o nome que tem até hoje.

Esse primeiro test-server aconteceu em 2007, e na época conseguiu uma repercussão muito grande. “O novo Tibia” tinha gráficos incríveis (melhores que os do jogo da Cipsoft) e um foco bem grande pro roleplaying. O fato dos personagens conseguirem sentar também era um diferencial que impressionava, já que isso era motivo de piada e zuação pro Tibia.

Embora hoje pareçam feios, os gráficos eram bons pra época.
Embora hoje pareçam feios, os gráficos eram bons pra época.

Por alguns problemas graves no cliente, o mesmo teve de ser refeito e isso atrasou MUITO o desenvolvimento do Phobos. Nesse meio tempo todas outras áreas também foram melhoradas, e o jogo conta com gráficos e um roleplay de primeira, mas ainda assim não estão 100% pronto. Passadas as considerações iniciais, vamos aos detalhes do jogo atualmente…

Cliente atualmente
Cliente atualmente

 


QUEM PRECISA DE MAPAS?

O jogo não possui um mapa no cliente. Sim, isso mesmo que você leu: sem mapa, minimap, bussóla nem nada do tipo. A única coisa que você tem é essa imagem:

Isso é algo que traz uma sensação de amor e ódio. A príncipio é realmente muito estranho não ter um ponto na tela que mostra o lugar em que você está, mas conforme você vai explorando e conhecendo a região, um suposto mapa vai se tornando algo dispensável. O problema é que se ficar uns dias sem jogar, você pode se perder ao tentar ir de uma cidade pra outra. Só por curiosidade, você inicia jogo na cidade de Timari, e toda aquela região de “Timar” é a rook do jogo. Empo Sar é a capital. Não consegui passar por Milthorn pra chegar na região norte 😛


CLASSES

O jogo tem um sistema de classes dividido em 3 níveis. A primeira classe/nível é o citizen, e você pode mudar assim que terminar a quest inicial (que te ensina coisas básicas, como conhecer os NPCs e matar criaturas fracas). A partir daí é preciso escolher pra que lado você quer ir:

Ainda na cidade inicial existem dois NPCs que te guiam pro segundo nível, que seria algo como escudeiro ou aprendiz. Basicamente é aqui que o jogo começa: não é possível se tornar um cavaleiro no terceiro nível caso você escolha aprendiz nesse segundo nível, por exemplo. Entretanto, ranger e clérigo são classes mistas de terceiro nível – tanto escudeiro quanto aprendiz podem escolhe-las. Cada classe tem magias, itens e características únicas.

Opinião bem resumida sobre classes: Eu joguei em 2 chars, um shaman e o outro um escudeiro (falta gold pra promover pra knight). Achei muito mais fácil upar level de mage, já que a maior parte do dano vem das habilidades e essa classe tem mais opções delas pra usar. Talvez com equipamentos melhores knights tenham vantagem, vai saber…
Ah, o jogo tem um level máximo, que atualmente é 50. O que define realmente se um char é mais forte que o outro são os níveis de skills e os itens raros que cada um tem. Os itens que encontrei até agora não tem level.

meu xamãzinho com mais foco em natureza/destruição do que suporte (:
meu xamãzinho com mais foco em natureza/destruição do que suporte (:

ROLEPLAYING

Ah, esse ponto é muito interessante. Se tem algo que é bem feito no Phobos, é o RPG. Eu poderia explicar ponto por ponto, mas vou dar alguns exemplos que podem te ajudar a entender o que estou falando.
1 – Sabe aquele papo que falei acima das escolhas de classe? Então, pra escolher a terceira classe é preciso ir na cidade capital do jogo, Empo Sar. Lá, um NPC te cobra o valor de 5.000 moedas pra te promover. Em um jogo qualquer, caso você não tenha o dinheiro, o NPC te diria uma mensagem aleatória do tipo “volte quando estiver com as moedas”… mas no Phobos não! A mensagem que você recebe é tipo “Oooh, infelizmente não posso te ajudar caso você não tenha todas as moedas. Existe todo um processo burocrático, entende? A papelada me dá medo só de lembrar! E ainda precisamos da assinatura do rei. Mas enfim, posso ir dando entrada no processo enquanto você economiza mais um pouco!”
2 – Já visitou uma biblioteca num jogo com o RPG fraco? Basicamente tem uma série de livros que só estão lá pra cumprir tabela e que ninguém nunca lê. No Phobos o NPC bibliotecário tem uma quest pra você: recolher livros pra deixar Empo Sar com a maior biblioteca do continente. Ou seja, vale a pena olhar as estantes de livros nas casas que passar. (nossa, me senti “a menina que roubava livros” agora…)

3 – Sabe aquelas chaves que você tem na bag e não sabe onde conseguiu ou o que fazer com elas? No Phobos, ao dar look nesses itens você recebe a informação sobre o NPC que te deu e onde ela deve ser usada. Ou seja, não tem uma porta secreta que você tem que testar usar todos seus itens, usar magias, falar palavras mágicas e no final descobrir que ela não serve pra nada: aqui a coisa é mais direta.


GRÁFICOS

Eu posso afirmar que o Phobos tem os melhores artistas do mundo que trabalham nessa perspectiva. Se isso não for o suficiente, o jogo ainda tem alguns detalhes gráficos interessantes, como a forma que as cavernas vão ficando escuras conforme você vai entrando nelas, ou os efeitos das spells (que utilizam partículas).

Acho que já deu pra ter uma noção pelas imagens anteriores, mas caso ainda tenha dúvidas, nessa galeria é possível conferir mais imagens do jogo.


CONSIDERAÇÕES FINAIS

Embora não exista previsão de lançamento, um test-server privado está online desde 2014, e qualquer um pode acessar pagando uma taxa de 5 euros (algo em torno de 18 reais). Só vou avisando: tá bem vazio, é comum ser o único player online. Se você tem interesse, nesse tópico tem mais informações (em inglês).

Gostou desse artigo? Se interessou pelo Phobos? Deixe seu comentário!
Veja também essa entrevista com o André Galiant, brasileiro e membro da equipe do Phobos.
É isso ai, vlwgalereflw 🙂

DEIXE UMA RESPOSTA

Favor comente aqui!
Favor insira seu nome aqui

Comentários
  1. Guest
    Tibia em português seria algo que realmente chamaria atenção. Um RPG em português seria bem mais divertido de fantasiar, e tb, tiraria o foco de ser apenas o mais forte.
    Guest
    Phobos terá seu penúltimo update antes do lançamento entre dezembro deste ano e janeiro do ano que vem, onde após esse, a Myth já falará sobre uma data de lançamento para o game. Phobos já deveria ter sido lançado se eles não tivessem recomeçado tudo quase do 0.
    Sinceramente eu gosto de Phobos por ter uma variedade de classes maior que o Tibia, no tibia não tem armas de fogo por exemplo e nem distribuição de pontos quando passa de level = ),e também ninguém merece as magias mal feitas do tibia em...
    http://phoboswiki.com/w/index.php/Main_Page
    Guest
    Phobos nunca será lançado, isso é um fato, vai chegar uma hora que até os dev não tem mais empolgação de continuar e vai acabar esfriando o desenvolvimento, se isso já não aconteceu.
    Falta muita inovação nesse segmento! Eu não sei onde por exemplo Bloodstone e Phobos pensam em competir com Tibia partindo praticamente da mesma temática, mesmo visual gráfico, basicamente as mesmas "profissões" e entre outras coisas que se repetem dentro do próprio segmento.
    - uuh mas o personagem da umas tremidinhas no Bloodstone - uuh mas o personagem senta em Phobos.
    Falta uma proposta nova e inovadora. Fugir do modelinho Knight/Crusader, Shaman/Sorcerer/Priestess/Druid, Ranger/Paladin já é uma necessidade, se é pra praticamente continuar no mesmo universo não vai ser por umas tremedinhas no personagem e umas conversas mais complexas com NPC que esses jogos vão garantir seus lugares na fila do pão.
    Guest
    fala do adventure kkkkk www.adventurerpg.com.br jogo criado por eu sozinho kkkk

    Cheguei a testar e basicamente é o Tibia de sempre mas com os nomes dos monstros, magias e diálogos em português. Pra quem não manja de inglês deve ser bacana, mas eu achei bem estranho conversar com os NPCs falando olá, troca, sim e etc.
    Ah, e os sprites foram tirados de um outro OT polonês, então basicamente não tem nada original :|